Parceiros do CITinova de Brasília, Recife e São Paulo, reunidos na capital federal para a 3ª reunião do Comitê Gestor do projeto, finalizaram o encontro com uma visita à Ocupação Canaã, no Lago do Descoberto, uma das regiões na qual está sendo implantado Sistema de Agrofloresta (SAF) mecanizado, no Distrito Federal.

A equipe da Secretaria do Meio Ambiente SEMA-GDF, coexecutora do CITinova responsável pela implantação dos SAFs mecanizados, apresentou o trabalho dos agricultores aos parceiros CITinova do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), da Agência Recife para Inovação e Estratégia (ARIES) e Porto Digital, do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) e do Programa Cidades Sustentáveis (PCS).

Durante a visita, a equipe teve contato com algumas famílias beneficiadas, que já participaram de oficinas de capacitação técnica e prática e, agora, estão realizando mutirão para o plantio da agrofloresta. Os parceiros CITinova puderam também acompanhar o teste da enxada rotativa com subsolador, máquina desenvolvida pelo projeto para preparar grandes extensões de canteiros, permitindo o plantio a uma profundidade de até 80 cm.

Enxada rotativa com subsolador sendo testada. Foto: Gabriela Fonseca CITinova SEMA-GDF

Além da enxada rotativa, mais dois equipamentos inovadores estão sendo desenvolvidos pelo projeto para acelerar e facilitar o plantio e sua manutenção: uma ceifadeira-enleiradeira, que corta o capim e o deposita na linha de plantio, servindo de matéria orgânica e cobertura para o solo; e um podador de altura, que irá facilitar a poda das árvores altas, dispensando o uso de escadas.

Nazaré Soares, coordenadora do CITinova pela SEMA/GDF, destacou que os SAFs mecanizados irão colaborar com a preservação e recuperação ambiental nas bacias hidrográficas: “Além da geração de renda para pequenos agricultores, a iniciativa contribui com a segurança hídrica do Distrito Federal”.

Isadora Freire, coordenadora pela ARIES/Porto Digital, observou a dedicação e o entusiasmo dos agricultores e dos profissionais contratados pela SEMA. Zuleica Goulart, coordenadora pelo PCS, reiterou: “Fiquei emocionada em conhecer pessoas tão comprometidas e engajadas com o que fazem. Agricultoras e agricultores felizes em fazer parte deste projeto que vai mudar suas vidas”.

Um deles é  Lucas Rosa Duarte, de 19 anos, filho de um casal beneficiado: “Já pensei em ir embora, porque aqui a vida é muito dura. Mas a agrofloresta me incentivou a ficar para ajudar meus pais. Agora, quero ver isso tudo crescer”.

Maria dos Reis, também agricultora do Canaã, conta que tinha oito anos quando pegou a enxada pela primeira vez. Vive da agricultora desde sempre e já passou por muitos momentos difíceis. “Com a agrofloresta, vamos poder colher o ano todo e comer sem veneno. A vida vai ficar mais fácil”, almeja ela.

Equipe CITinova visita plantio de agrofloresta na ocupação Canaã e agricultores plantam em mutirão. Fotos: Gabriela Fonseca CITinova SEMA-GDF

Lucas Rosa Duarte ajuda o pai no plantio


Foto de abertura Plantio de Agrofloresta na Ocupação Canaã, no Lago do Descoberto, DF. Foto: Gabriela Fonseca CITinova SEMA-GDF

Leia também